PRAIA DA BARRA DO CHUÍ

PRESS WORKERS

Um balneário com tudo para dar certo…

Continuando a linha de areia e mar das praias do Cassino -Município de Rio Grande- no Rio Grande do Sul e próximo a os anos 1880 surge a Barra do Chuí, próxima a Alvorada, as Maravilhas e a praia do Hermenegildo, compõem o conjunto de balneários pertencentes ao Município de Santa Vitória do Palmar. Apesar de serem reconhecidas como as praias mais frias e litorâneas do Brasil constituem um importante atrativo para os turistas uruguaios e argentinos que chegam de férias todos os verãos.

Com uma extensão de mais de 5 km. sobre o Oceano Atlântico, e separada do país vizinho, Uruguai, pelo Arroio Chuí e os molhes, aqui costumam se reunir centenas e milhares de uruguaios e argentinos, que pela proximidade geográfica, por sua beleza natural e por uma vantagem econômica de custos que a diferença monetária proporciona, concorrem em busca de descanso e lazer.

untitled imageuntitled imageuntitled image

A presença de três postos de vigilância de Guarda Vidas do Corpo de Bombeiros Militares dá às pessoas a tranqüilidade para tomar banho e aproveitar o sol com segurança, consomem os produtos das barracas e dos food-trucks instalados na orla ou compram cangas, famílias com meninos curtem da praia na maior tranqüilidade voando pipas, fazendo castelos de areia, pescando, praticando esportes aquáticos como surf, stand up paddel, paramotor, kitesurf ou moto aquática, jogando futebol de areia ou “tejo”.

Tendo supermercado, fruteiras, azougues, farmácia e muitas tendas de roupa, a Barra do Chuí encontra enfrentar um grande desafio que poderia ser visto como um ponto fraco, mais tem que torná-lo o maior desafio para a comunidade: a colheita de lixo. Na praia á muito poucos pontos para deixar o lixo, nem á em todo o balneário um lugar adequado para o despejo de lixo classificado, o que faz com que materiais que poderiam ser aproveitados, reciclados e reutilizados por cooperativas de artesões ou ONGs ambientais para o reaproveitamento sustentável do lixo despejado, van para o aterro sanitário.

Alí não há agência bancária, caixa eletrônica, posto de combustível ou outros serviços, que em uma comunidade tradicional seriam necessários – todos eles existem a 10 km de distância, na cidade do Chuí, onde pode-se ir de ônibus ou taxi-; no entanto, é possível acordar com o canto dos pássaros e vê-los, muitos deles em extinção, migrando de norte a sul e ou sul a norte, você pode caminhar e respirar o ar puro de pinheiros e eucaliptos, às vezes misturado com o cheiro de mar ou de flores de acácia.

Embora falte muito ainda para que a Barra do Chuí seja um verdadeiro produto turístico, é um lindo atrativo natural que tem tudo para dar certo e merece ser visitado.

Richar Enry Ferreira

Productor audiovisual, documentalista, investigador histórico, redator e reporter.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!