Início » SOCIEDAD COMPLICE

SOCIEDAD COMPLICE

PRESS WORKERS

“Cada povo tem o governo que merece”…

As eleições municipais realizadas nos últimos tempos – tanto no Uruguai como no Brasil – voltaram a levantar uma questão que as civilizações ocidentais arrastaram durante vários séculos: DEMOCRACIA, é escolher e ser eleito? É votar ou votar a cada cinco anos? É escolher o menos ruim ou o que melhor me convém? OU É MAIS DO QUE ISSO …?

Fomos ensinados e ensinados em nossos dias de ensino, que a origem etimológica da palavra era grega, que significava “governo do povo” ou “popular” e que em seus primórdios (século 6 aC) a democracia não era como a que conhecemos hoje , visto que mulheres, escravos e estrangeiros não podiam votar, e a assembleia de cidadãos era composta por apenas alguns; Portanto, se desde suas origens o nome “democracia” era ambicioso ou falacioso, como podemos acreditar que, se não fizermos nada por quatro ou cinco anos, a “democracia moderna” funcionará como o ideal ateniense?

Analisando algumas realidades da região e relembrando as palavras de George Orwell: “Um povo que escolhe corruptos, impostores, ladrões e traidores, não é vítima, é cúmplice”; O que é que torna essas palavras tão atuais para nós, apesar do fato de que foram escritas e transmitem uma visão do início do século XX? Será que as sociedades modernas ainda não aprenderam que cabe aos povos a responsabilidade por seu presente e futuro? Como é que um escritor e jornalista poderia entender isso há mais de 150 anos, e ainda hoje acreditamos em um messias ou mahdi (salvador em quem cristãos e muçulmanos acreditam)?
Portanto, considero que talvez seja apropriado questionar se realmente existem cidadãos vítimas, reféns ou “coitado de mim”, e começar a nos perguntar o quanto eles fizeram / fizeram / fizeram para ser o governo do meu presente e futuro, quanto tempo que gastei cuidando dos meus interesses (não apenas o que me dá dinheiro), o que agora digo e penso que me preocupo, o que agora motiva meu aborrecimento ou reclamação contra o outro ou outros?
Em nossa sociedade, em associações civis, de bairro, municipais e até mesmo estaduais, não existem perpetradores, perpetradores ou acusados ​​de atos que nos prejudiquem, envergonhem ou deplorem; HÁ PESSOAS que pela vontade de ocupar aquele lugar, com seus defeitos e virtudes, ali estão PORQUE ALGUEM OS ESCOLHEU, porque cidadãos, mulheres / homens / lgbt, negros / brancos / indígenas, todos os cidadãos legais autorizados a votar – porque sim , agora todos têm direito e ninguém pode dizer que não pode participar- TODOS PODEM ESCOLHER, embora nem todos possamos ser escolhidos.
Concluindo, acredito que podemos ser verdadeiros democratas e participar todos os dias, não mais a cada 4 ou 5 anos, ou podemos optar por não acreditar neste sistema de construção de governo e pular o lado político de nossas vidas e viver em paz, sem reclamações, ou denúncias, sem insultos ou reclamações, RESPONSÁVEIS POR NÓS MESMOS, CIENTES DA NOSSA REALIDADE E CONSTRUINDO-A DIARIAMENTE, com as nossas ideias, com as nossas contribuições e com as nossas acções.
Richar Enry Ferreira

 

Productor audiovisual, documentalista, investigador histórico, redator e reporter.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!