PARA AQUELES QUE TÊM DE PARTIR

PARA AQUELES QUE TÊM DE PARTIR

PRESS WORKERS

Para aqueles que são obrigados a abandonar o campo, o crescimento endógeno e a inovação devem, portanto, ser o principal objectivo

Antes de sermos aterrorizados por pragas biológicas, os países da região sofriam do mal da insegurança; e antes disso, do desemprego, e muito antes disso, das crises económicas e da fuga de capitais. É como se as tristezas fossem periódicas, em “ondas” regionais, tal como as ditaduras e o regresso das democracias; por coincidência ou não, todas elas pareciam afectar esta região do planeta de forma semelhante.
No entanto, por não estarem nas primeiras páginas não deixaram de existir, nunca deixaram de ser uma questão recorrente de interesse pessoal para muitas pessoas, especialmente para a maioria, que precisam de ganhar a vida. O emprego foi e ainda é uma variável que sempre manteve muitas pessoas acordadas à noite: embora viver com um plano social ou seguro de desemprego seja hoje em dia a coisa mais comum a fazer, ainda há aqueles que preferem comer do seu trabalho.

O trabalho no campo

E se falamos de trabalho, não podemos ignorar a importância da produção rural para as nossas vidas, embora, a um nível geral, o interesse pela vida no campo tenha vindo progressivamente a diminuir desde os anos 60 (1), quando a industrialização do trabalho agrícola começou a instalar-se com a utilização de maquinaria moderna, e juntamente com o afluxo maciço de produtos fitossanitários – produzidos pela crescente indústria agroquímica multinacional que invadiu as nossas terras – reduziu a contratação de mão-de-obra, acelerou as colheitas e reduziu os custos, levando a um êxodo migratório incessante.
Assim, uma grande parte da população trabalhadora que tinha habilidades manuais e o comércio da vida no campo foi atraída e por vezes até enganada pelo conforto da cidade, especialmente aqueles que fizeram a peregrinação do campo circundante para as nossas inter-regiões ou #thirdzone para trabalhar nas áreas urbanas. Estas pessoas, na sua maioria, não foram capazes de se inserir facilmente, porque as suas competências não as ajudaram a ser compatíveis com as cidades, e a indústria transformadora actual já não exige tais condições, mas é mais tecnológica e cibernética. Infelizmente, na maioria dos casos, depois de viverem precariamente em lugares indignos, acabam por se instalar nas periferias das cidades, no que Weber nos anos 40 chamava “cinturões de marginalidade”, com empregos não rentáveis e muitas vezes explorados, doentes e sozinhos; Assim, estes guerreiros que outrora conseguiram avançar após graves secas, inundações ou pragas, viram hoje as suas vidas mudar drasticamente porque a dinâmica global do mundo moderno os excluiu, e os Estados não souberam como inverter esta realidade que acaba por gerar mais sofrimento do que benefícios.

Por exemplo

O caso mais recente da incompatibilidade da vida rural tradicional face ao mercado global é o dos agricultores familiares de Noblía, Cerro Largo, que enfrentam um bloqueio na produção de amendoins, que plantaram e colheram com grande esforço, com o seu próprio investimento e o de uma organização estatal, mas que agora não conseguem vender porque o mercado está saturado com o produto, importado do Brasil.
Isto revela um fracasso do sistema, e expõe os produtores a acções judiciais que não irão contra os professores da Faculdade de Agronomia, nem contra a Direcção Agrícola ou os profissionais do Ministério da Pecuária, Agricultura e Pescas, muito menos contra as hierarquias políticas em serviço; mas alguém os encorajou e os comprometeu a este empreendimento arriscado de recuperar um mercado para o qual não existe protecção estatal, promoção ou gestão de mercados estrangeiros. Não existe “resgate e valorização dos recursos genéticos nas culturas tradicionais” se o mercado para o produto final não for considerado, muito menos se os produtores não forem considerados.
Nos anos 90, muitos sonhavam que isto deixaria de acontecer se o Mercado Comum do Sul se tornasse uma realidade; que as tarifas, impostos e limites máximos de importação regulariam de alguma forma o mercado livre, e que as importações de produtos e bens produzidos localmente não seriam prejudicadas, uma vez que seriam protegidas por mecanismos legais que dariam as garantias necessárias aos trabalhadores de que não acabariam por suportar a totalidade dos danos. Contudo, os factos demonstraram o contrário neste caso particular, e a única esperança que existe até à data é “poder vender os 100.000 kg que temos, graças aos esforços de um Legislador Nacional com o Ministro da Pecuária, a 40 dólares em vez de 70 dólares para o Chile”, tal como expresso pelo produtor de amendoins Luis Escobar.
Foi salientado em várias ocasiões que o contrabando mata a produção nacional, e isto foi negado em várias ocasiões, mas agora está novamente a ser reafirmado: não foi o contrabando de amendoins que deixou estes produtores comprometidos e em risco de falência. Até nos perguntamos: existe alguma coisa que seja comercializada além fronteiras que possa causar a falência de algum dos poucos que ainda insistem em produzir, num país cujos principais activos são as fábricas de papel, a silvicultura, o arroz e a soja?

A responsabilidade

É dever de todos, incluindo o da Unidade Metropolitana Agro-alimentar (UAM) e do Ministério da Agricultura, antes de emitir a Acreditação Fitossanitária de Importação (AFIDI), proteger os poucos produtores rurais restantes neste país, que em 2021 caíram -1,7%, registando uma das taxas mais baixas do mundo (apenas 4% da população trabalha em zonas rurais de acordo com o Banco Mundial e o PNUD) (2).
O crescimento endógeno e a inovação devem, portanto, ser o principal objectivo para gerar emprego, especialmente nestas inter-regiões das zonas fronteiriças que são as fronteiras rurais: não só porque é aqui que se encontram os números vermelhos de pobreza, informalidade e desemprego, mas também porque é aqui que estas variáveis podem ser invertidas mais rápida e facilmente, uma vez que o custo de vida é mais baixo, e o consumo pode “aquecer” a economia através da aquisição de tudo o que não é contrabandeado, mas que é consumido em abundância nas regiões fronteiriças.
Evidentemente, isto exige uma profunda descentralização do Estado, uma forte presença de organismos governamentais centrais e departamentais, deslocando a ilegalidade, a informalidade e a pobreza; e é evidente que os uruguaios não são obrigados a viver em áreas urbanas, uma vez que nenhum exemplo de cidades uruguaias pode ser descrito como bem sucedido, porque as que não têm altos níveis de insegurança, sofrem de baixos níveis de inclusão social, ou sofrem de desemprego.

“…pa’ qué tanto campo vacío y solo, y tanto solo junto aquí en la ciudad” .- Mario Carrero

 

Richar Enry Ferreira

(1) Nuevo estilo de desarrollo para Uruguay: un análisis de las relaciones entre las condicionantes sociales y la dinámica poblacional en los pequeños agricultores, Volumen 1 – Horacio Martorelli.

(2) https://datos.bancomundial.org/indicator/SP.RUR.TOTL.ZS?end=2021&start=2021&view=map

Productor audiovisual, documentalista, investigador histórico, redator e reporter.

error: Content is protected !!