FRONTEIRAS: AMEAÇA INVASIVA OU MIGRAÇÃO NECESSÁRIA

PRESS WORKERS

Emigração, nascimento e mortalidade podem estar mais relacionados do que imaginamos.

Devido à situação internacional denominada “pandemia” ou “crise sanitária”, a mobilidade migratória nas fronteiras dos países foi obviamente alterada, sendo em algumas passagens de fronteira mais significativa do que outras; mesmo a migração forçada por razões políticas e econômicas foi reduzida, especialmente no que se refere aos pedidos de asilo ou refúgio de anos anteriores.
De acordo com o que foi manifestado pelo Ministério da Defesa Nacional, em dias passados ​​na fronteira com o Departamento de Artigas “foram evitadas 1.077 entradas irregulares este ano”, o que mostra a presença de centenas de ações tentando entrar, um exemplo claro que o país continua sendo considerado um lugar com oportunidades que alguns outros países da região não têm.
Nos dias seguintes, a mesma organização acrescentou que “400 mil pessoas circularam pela fronteira do Aceguá em 15 meses”, o que reflete uma fluida mobilidade jurídica em outra importante região fronteiriça do continente (sem prejudicar os demais pontos de entrada do continente. país, que apresentam relevância numérica igual ou superior), o que torna as nossas fronteiras um lugar delicado e perigoso, mas também de trabalho e esperança.

“Neste ano foram evitadas 1.077 entradas irregulares”, porém, “400 mil pessoas circularam pela fronteira do Aceguá em 15 meses” sem nenhum tipo de incidente.

 

Lembre-se de que “migrante” e “refugiado” não significam a mesma coisa. Podemos destacar que de acordo com informações não oficiais obtidas sobre o período 2018-2020, por exemplo, o número de pedidos de refugiados por cubanos em 2019 foi 20% inferior ao registrado em anos anteriores (2017 e 2018); Enquanto isso, a entrada de venezuelanos em busca de refúgio em 2019 ao Uruguai foi maior do que nos anos anteriores (160% a mais).

No entanto, e por razões óbvias, como a crise de saúde causada pela pandemia, a renda de estrangeiros ao Uruguai caiu significativamente em 2020, chegando a 80% menos cubanos e venezuelanos do que em anos anteriores, uma variável que continuou a diminuir, mas que segundo Autoridades do ACNUR-ONU podem mostrar um ligeiro crescimento de refugiados estrangeiros até 2021, incluindo haitianos, congoleses, senegaleses e bangladeshianos

Pode parecer que esta migração forçada por motivos de asilo tira as oportunidades de emprego para muitos uruguaios, reduzindo assim as já reduzidas fontes de trabalho existentes; e alguns até arriscariam dizer que isso é injusto, pois muitos tiveram que migrar em busca de um padrão de vida melhor.
No entanto, é preciso também perguntar quantos dos trabalhos que os refugiados ou migrantes fazem no país não foram realizados por uruguaios, que desvalorizaram essas ocupações ou aspiraram a uma remuneração maior, ou quantos simplesmente não tiveram a capacidade criativa para gerá-los; da região.
 
Tanto é que o presidente Luis Lacalle Pou garantiu que “o Uruguai tem vocação para receber muita gente (…) Depois da pandemia, se tudo acabar bem e rápido, acho que vai haver migração global e o Uruguai pode ser um dos lugares onde chega “, disse ele durante uma entrevista.

“O Uruguai tem vocação para receber muitas pessoas”

 

Agora, diante dessa realidade, vale destacar que a taxa de natalidade no Uruguai há mais de uma década está em declínio constante e não ultrapassa a cifra de 10 nascimentos por mil habitantes. De fato, “em 2019 ocorreram quase 37.500 nascimentos no Uruguai, um terço a menos de duas décadas atrás”, segundo o Ministério da Saúde Pública.

E apesar de a mortalidade infantil, neonatal e pós-neonatal ter diminuído nos últimos anos, seus efeitos não parecem impactar o crescimento do país, talvez porque a emigração uruguaia também continue sendo constante e crescente para outras partes. do mundo, onde acreditam ter mais oportunidades.

Se a tudo isso somarmos os incalculáveis ​​e trágicos efeitos da mortalidade pela situação atual, talvez mais uma vez, os emigrantes e refugiados – assim como nossos avós e bisavós – são os que recuperam a economia de um país envelhecido (especialmente quando 43% dos migrantes até 2019 tinham o ensino superior), com elevada passividade e com baixa probabilidade de revitalização natural, abrindo-se também a outras culturas, novos modos de vida e uma modernidade adaptada às suas necessidades.

Richar Enry Ferreira
 
Fuentes:
https://www.gub.uy/ministerio-defensa-nacional/comunicacion/noticias/puestos-control-del-ejercito-artigas-evitaron-1077-ingresos-irregulares-pais
https://www.elpais.com.uy/informacion/sociedad/refugiados-rastro-local-crisis-mundial.html 
https://negocios.elpais.com.uy/noticias/uruguay-caro-problemas-detras.html
https://www.elpais.com.uy/informacion/politica/lacalle-creo-haber-migracion-mundial-uruguay-lugar-llegue.html
https://ladiaria.com.uy/salud/articulo/2020/2/en-2019-hubo-casi-37500-nacimientos-en-uruguay-un-tercio-menos-que-hace-dos-decadas/
https://www.gub.uy/ministerio-desarrollo-social/indicador/tasa-mortalidad-infantil-neonatal-posneonatal-cada-mil-nacidos-vivos-total-pais
https://www.gub.uy/presidencia/comunicacion/audios/breves/murro-dijo-para-gobierno-inmigracion-es-positiva-destaco-43-nuevos

Productor audiovisual, documentalista, investigador histórico, redator e reporter.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!