FRONTEIRAS, LIMITES DE VIDA E FELICIDADE

PRESS WORKERS

“Limites existem justamente para isso, para subvertê-los.

A fronteira também é uma linguagem.

E refletir sobre isso é muito emancipatório “

Mar Reykiavik

Periodicamente, costumo refletir sobre questões de fronteira, e embora antes tenha parado para analisar a virtual implementação de um passaporte verde e suas potenciais consequências, humanas e sociais, hoje volto a me concentrar em uma questão mais cotidiana que comecei a delinear naquela publicação, e se refere à questão da segurança pública nas fronteiras.

Disse que “a insegurança crescerá e surgirão sistemas ilegais de tráfico de pessoas”, e o primeiro que temos que fazer eusar o bom senso e a lógica, logo analisar o que vemos rotineiramente: cubanos e venezuelanos chegando às nossas fronteiras, trazidos por organizações para cometer crimes, que sistematizam e cobram por tráfico ilegal de pessoas , e infelizmente, mesmo com a participação dos próprios membros dos Estados, que por ação ou omissão permitem que isso aconteça. Por isso entendemos que aqui como em outras partes do mundo, a existência de mais restrições à mobilidade humana só pode resultar em mais crimes e insegurança.

Está comprovado que cada vez que surge uma norma para regular um comportamento ilícito e penalizar os atores, surgem pelo menos mais três formas de consumação do ato regulado; um grupo tentará continuar sua prática ilegal, outro vai agir ajustado com a norma, e outro grupo procurará o vazio ou o mecanismo legal distorcido para continuar obtendo e consumindo o produto ilegalmente (com a fachada de uma outra coisa), pois o propósito original nesse tipo de prática é ganhar dinheiro facil, e quanto mais melhor. Foi o que aconteceu com o álcool, com os jogos de azar, com as drogas legais, etc.

“Constantmenete dissemos que esta migração é um grande negócio para muitas pessoas e atrás de todo esse sofrimento humano, existem pessoas que ganham muito dinheiro ” Mar Reykiavik (1)

Porém, isso não é defeito, problema ou patologia social só nosso, da Latino América (das fronteira, que de uma forma ou de outra vivemos esse tipo de prática diariamente através do contrabando); é um problema maior, que se repete e extende, por exemplo, na Europa.

Tanto que há poucos dias na Espanha, no sítio “La Voz de Almería”, a eurodeputada Sira Rego expressou: “Dizemos constantemente que esta migração é um grande negócio para muitas pessoas e que por detrás de todo este sofrimento humano existem pessoas ganhar muito dinheiro [… [o negócio da imigração faz com que muita gente ganhe muito dinheiro e logicamente é interessante manter certos pontos de tensão. Mas se esses recursos forem angariados para que haja meios legais e seguros para aqueles que precisam chegar à Europa sem arriscar suas vidas, certamente as coisas seriam diferentes. Insistimos muito que existe uma política de terceirização de fronteiras porque há muita indústria em torno do negócio de imigração. Se você resolver o problema da imigração, automaticamente toda a indústria para de ganhar dinheiro. “

Tudo isso piorou quando surgiu a questão da pandemia, pois: “Pagamos muito dinheiro público para comprar vacinas que em muitos casos nem chegaram. Muito dinheiro público foi investido em pesquisa e não temos controle sobre as patentes. E vimos como o poder público está zelando pelos interesses da grande farmacêutica, impedindo que nós deputados tenhamos acesso aos contratos. Isso é muito sério. Eles privatizaram a transparência ”(2).
Talvez por isso também queiram privatizar os passaportes verdes: para libertar os governantes de qualquer responsabilidade jurídica, no momento em que alguém pretenda levá-los aos Tribunais Internacionais de Justiça por violações dos direitos humanos migratórios e de liberdade de circulação de pessoas.
“Muito dinheiro público foi investido em pesquisa e não temos controle sobre as patentes.
E vimos como o poder público está zelando pelos interesses da grande farmacêutica, impedindo que nós deputados tenhamos acesso aos contratos.
Isso é muito sério.
Eles privatizaram a transparência “

 

Hoje é evidente que essas transformações sociais, jurídicas e migratórias não ocorrem por acaso ou espontaneamente; infelizmente, com o passar dos anos acabamos descobrindo que sempre houve interesses e pessoas determinadas para que algumas coisas acontecem de uma certa maneira. Por exemplo, hoje sabemos que a grande corrente migratória da Europa para a América, séculos atrás, se deu pela necessidade de poder contar com mão de obra barata e também descomprimir as áreas do planeta que estavam superpovoadas e enfrentavam crises econômicas antes ou depois das guerras; cada vez mais perto do tempo, foi confirmado por documentos públicos, que tudo o que aconteceu em nosso cone sul na década de 1970 (hoje conhecido como “Plano Condor”), foi estrategicamente traçado a partir do norte, endividando e condenando a futura economia das nascentes democracias a exorbitantes dívidas. Portanto, não podemos, hoje, acreditar que as coisas acontecem aqui por um acaso da natureza ou por azar, mas devemos ter em mente os interesses que cercam nossa vida cotidiana e aprender a evitar sua influência direta sobre nós e nossos entes queridos, se quisermos alcançar algum grau de bem-estar e felicidade.

Se perdemos uma coisa, com tudo isso das redes sociais e de internet, é a medida preventiva de analisar a autoridade do emissor de uma mensagem, para saber se quem fala sobre um assunto, expressa uma opinião ou fala algo sobre o tema em questão, quanto sabe ou conhece profundamente do que está falando, aquelo que levava a pensar: Quem é esse que fala isso?. Damos por certo que quem aparece em uma tela é alguém de respeito, mas, geralmente no caso de fronteiras, quem fala da questão nunca viveu ou sabe muito sobre a vida na região, e isso vai além da ideologia, ocupação ou profissão – como diz um amigo, “sapateiro, não [vá] além do sapato” -, e se alguém quiser expressar uma opinião, que acredite habilidade, solidez e respeito para da “linha de ação” ou formar uma opinião sobre o assunto, seja ele influencer ou referência política, porque quem melhor sabem sobre as questões de fronteira são aqueles que a ocupam.

Pode ser difícil mudar alguns hábitos; Pode ser difícil reconstituir parte do caminho e pode até ser difícil começar a questionar algumas coisas; mas é bom e necessário começar a procurar a felicidade nas pequenas coisas da nossa vida, deixar de correr a cenoura que nos vendem e, sobretudo, começar a pensar e a compreender que existem pessoas que gostam e se beneficiam da nossa infelicidade, sem medo ou pavor, acabando com o terror e desfrutando da liberdade e das belezas de nossas fronteiras, emancipando-nos nas fronteiras, rebelando-nos contra o que querem estabelecer para beneficiar outra pessoa, e não a nós.
 
https://valenciaplaza.com/habitar-frontera-charla-sobre-arte-margenes-subversion 
https://www.lavozdealmeria.com/noticia/12/almeria/215324/mucha-gente-gana-mucho-dinero-con-el-negocio-migratorio-interesa-la-tension 

Productor audiovisual, documentalista, investigador histórico, redator e reporter.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!