O QUILERO E A REPREÇÃO

PRESS WORKERS

A repressão tem sido uma constante na região de fronteira, e uma se explica pela outra

Impossível pensar em quilero, discutir a questão dos bagayeros ou referir-se ao contrabando e não falar da repressão, desde essas patrulhas policiais a cavalo até os fuzilamentos, as perseguições de investigação com seus miguelitos ou as operações de helicóptero desencadeando inteligência contrabandistas; Costumes complicando a passagem e aquele “ruivinho” que chegava de vez em quando causando o terror daqueles diaristas, perseguindo e retirando tudo em tempos de grande escassez; ou o Exército apreendendo alimentos na época da Ditadura e quebrando pontes na democracia.

A repressão tem sido uma constante na região fronteiriça, e pode-se explicar pela outra, que a co-dependência existencial tem frequentemente implicado na corrupção de instituições públicas, ilegais mas reais, com base num acordo tácito de “te deixo viver e te dás vida ”, mas isso não ocorre apenas nas fronteiras, mas também nos portos e aeroportos de acesso aos países, ora por meio de grandes organizações estruturadas, outras, improvisadas e circunstanciais, pactuadas entre as partes na época, que permitem a entrada de cargas proibidas às custas de várias somas de dinheiro, bens ou serviços trocados a título de “favor”.

Agora, se a existência de uma e de outra prática está intrinsecamente relacionada, talvez seja hora de começar a mudar: não é hora de romper com esse ciclo perverso e antigo do contrabando da corrupção? Em tempos em que a inovação no mundo moderno mudou a vida dos seres humanos, presume-se que para melhor: talvez devêssemos pensar e gerar soluções modernas que acabem com esses tipos de práticas nocivas para todos e beneficiem apenas alguns ambiciosos, egoístas e desonesto que favorece o sistema atual vigente?

A verdade é que os cidadãos da fronteira, os quileros, merecem parar de pensar em sobreviver trazendo o que puderem, subsistindo com apenas alguns quilos; precisam trabalhar e viver com dignidade, usando as mãos, o intelecto ou qualquer que seja sua capacidade. Todos merecem as mesmas oportunidades iguais para que possam se desenvolver sem “distinção entre si senão de talentos ou virtudes” (Constituição da República, Art.8 °), pois conforme a canção “LOS CONTRABANDISTAS”, de Pierre- Jean de Beranger (1780-1857), um poeta francês do século 19, que conseguiu irritar a Coroa tanto quanto os tumultos de rua:

“… si la ley nos condena
la gente nos absuelve …”

Tradicionalmente, as respostas em torno da questão dos contrabandistas são: “isto sempre foi assim”, “se isto está armado assim, não vou mudar”, ou pior, “deixa pra lá, não mexa no assunto porque você está mexendo com “gente de cima”, de poder ”. A meu ver, nada justifica a preservação de um sistema nocivo, lesivo às partes e ao país, que promove a renúncia e legitima práticas desviantes e comportamentos de sobrevivência selvagens, simplesmente porque quem deve buscar alternativas viáveis ​​e mais saudáveis ​​para todos, o faz. t querem se sentir desconfortáveis ​​ou têm interesses adquiridos; Acredito humildemente que sempre é hora de mudar, de melhorar e de buscar outras soluções que não provoquem a morte de quileros nem corrompam o Estado, e que a hora pode ser agora.

Richar Enry Ferreira

Productor audiovisual, documentalista, investigador histórico, redator e reporter.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!