Início » MIGALHAS DO BOLO

MIGALHAS DO BOLO

PRESS WORKERS

Este pode ser o melhor momento

 

Já faz algum tempo que, do nosso ponto de vista, estamos lidando com a questão da fronteira, e não porque somos os líderes dos quileros, nem porque temos interesse no contrabando ou porque pensamos que alguém vai mudar alguma coisa no a fronteira, mas tentando contribuir modestamente para a fronteira. mudar de nosso lugar como nativos e residentes da área.

Há vários anos, no Departamento de Tacuarembó, alguns cidadãos libertários decidiram entrar na política do Partido Nacional com o lema “Um bagayero, um patriota”; mas tiveram mais do que um slogan disruptivo: propuseram uma ideia, contribuíram com um projeto com base e contribuição dos cidadãos, proposta que Atilio Amoza e Juan Manuel Rodríguez continuam defendendo e pela qual expressam: “o contrabandista está legalmente em a categoria de criminoso por questão de que não existe procedimento simples para importação “[…]” A atividade é comercial, consiste em comprar mercadoria em um determinado território, transportá-la e vendê-la em outro. não é uma atividade que tem prejuízo Queremos abrir o debate e criar um mecanismo simples de acordo com as dimensões comerciais de Tacuarembó para que possa ser realizado ”(1).
 
Com a incursão do Cabildo Abierto na esfera legislativa, de Artigas, o seu referente local explicava a nova proposta e dizia: “O projeto tenta estreitar essa lacuna para que o setor comercial se desenvolva melhor e evite que as pessoas vão para o outro lado da fronteira para fazer suas compras. Visa reduzir os preços que o consumidor paga para que o comércio seja mais competitivo ”[…] e define que o objetivo é“ estabelecer um regime jurídico especial de comércio fronteiriço para as micro, pequenas e médias empresas (MPMEs) instaladas ou a ser instalado, em áreas de fronteira do país “até 20 quilômetros das passagens de fronteira.” (2)
 
Agora, há algumas horas ou dias, um Deputado Suplente do Partido Colorado, e também do Departamento de Artigas, propõe: “uma cesta básica para a fronteira” nestes termos: “Consideramos oportuno promover a redução de uma lista limitada de produtos que compõem a cesta básica familiar e outros produtos de uso fundamental na atualidade e cujo valor nas lojas dos países vizinhos é substancialmente menor. (3)
 
Enquanto isso, o ex-prefeito de Cerro Largo (governando por 10 anos), agora eleito senador pelo Partido Nacional, entende que as fronteiras “são um espaço de oportunidades para o país”, e clama por “medidas inteligentes e fim de alfândega ou repressão ao contrabando da fronteira ”:“ Estamos sofrendo muito com as consequências da falta de competitividade dos produtos na fronteira. Isso não se resolve com mais costumes, com mais repressão, isso se conserta com medidas inteligentes ». (4)
 
Agora, quando analisamos fenômenos regionais como este, precisamos entender que há questões endêmicas, históricas e tradicionais, e que por mais que tenham passado dezenas de governantes desde a origem da Pátria, elas permanecem sem solução; por outro lado, há questões que foram herdadas e se arrastam há algum tempo, como desemprego, informalidade e analfabetismo (ou baixa escolaridade); Por fim, há questões que são actuais e são aquelas que exigem soluções mais urgentes porque a gravidade da situação o exige, e para isso não bastam boas ideias ou acções “samaritanas”. Vai mudar a vida das pessoas em nada; O inferno está cheio de cestas básicas e de boas intenções, poderíamos dizer parafraseando o ditado popular.
 

De nada adianta distribuir as migalhas do Estado entre os mais necessitados, se não cuidarmos de alguns desses problemas que geraram, geram e vão gerar a situação atual; E não me refiro à pandemia, mas sim à falta de poder de compra, à falta de liberdade para comprar onde é mais barato, à falta de trabalho e à fome de quem vive na fronteira se não lhes dermos a possibilidade de quem ganha seu sustento com dignidade.

Seria mais “inteligente” deixar de fazer política com as necessidades dos contrabandistas, quileros ou bagayeros, e passar a trabalhar juntos, todos os legisladores dos departamentos de fronteira, independentemente da cor política, em busca de uma solução definitiva; E não estou pedindo para vocês mudarem a história e reconhecerem que tempo foi perdido sem fazer nada, AGORA PODE SER A HORA DE VERDADEIRAMENTE MUDAR E AVANÇAR COM MAIS INVESTIMENTOS, SEM BARREIRAS TRIBUTÁRIAS E SEM SENTENÇA CRIMINAL.

Portanto, minha pergunta final é: por que não podemos pensar em Assembléias de Cidadãos nas diferentes cidades fronteiriças para saber o que as pessoas querem e precisam? E você pode me dizer que hoje devido à pandemia as pessoas não podem se reunir, mas os canais digitais podem perfeitamente ser abertos para a discussão e votação dos cidadãos, onde as pessoas podem se expressar, propor e resolver o que querem, o que precisam. E ele acredita que ele merece mudar uma realidade histórica que tem sido negada por interesses de fora dos habitantes da fronteira.

Richar Enry Ferreira

EL OBSERVADOR

1 – https://www.montevideo.com.uy/Noticias/Lista-de-Lacalle-busca-legalizar-el-contrabando-y-su-eslogan-es-Un-bagayero-un-patriota–uc722044

2 – https://www.xn--lamaana-7za.uy/agro/cabildo-abierto-presento-proyecto-de-ley-para-impulsar-el-comercio-fronterizo/

3 – https://www.republica.com.uy/proponen-una-canasta-basica-alimenticia-para-la-frontera-id798965/
4 – https://www.carmeloportal.com/58375-botana-pide-medidas-inteligentes-y-no-mas-aduana-o-represion-para-el-contrabando-de-frontera
 

 

Productor audiovisual, documentalista, investigador histórico, redator e reporter.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!