FRONTEIRA POROSA OU AUSÊNCIA DO ESTADO?

PRESS WORKERS

No entanto, em nenhum dos casos a porosidade de uma situação ou objecto de análise é vista como negativa, excepto no caso da realidade fronteiriça

Ouvimos normalmente o termo “fronteiras porosas”, referindo-se a elas como a causa das dificuldades que as autoridades enfrentam na prevenção e controlo do trânsito ilegal de substâncias, produtos e pessoas. No entanto, a expressão não só é inadequada, como também mostra uma falta de conhecimento tanto da ciência como da realidade da fronteira.
Em princípio, a raiz da palavra vem do latim porus e significa “pequeno buraco”. “O termo “porosidade” deriva da raiz grega poros (πόρος) que significa passagem; significa tanto uma estrada, um caminho, uma rua e um vau, qualquer meio que permita a passagem daqui para ali. Poros evoca “passar por”, passar sobre uma linha ou uma área de junção ou separação. O primeiro relato mitológico vem de “Poros”, uma figura mítica que representava o espírito de oportunidade, o lucro, os meios para alcançar algo e a utilidade de o fazer”. (1)

Para outras ciências

Em biologia, os poros são referidos como canais microscópicos que são importantes e necessários para a vida da pele e das células em geral: são utilizados para a transpiração, para eliminar toxinas e para hidratar a pele, por exemplo. Para assegurar a sua vitalidade, recomenda-se a esfoliação e uma rotina adequada de limpeza da pele.
Por outro lado, aqueles que trabalham a terra e produzem com ela dizem que a porosidade do solo favorece ou reduz o fluxo de água e nutrientes para as plantas, serve para drenar o solo se houver excessos, facilita a entrada de oxigénio nas raízes, bem como permite a sua penetração no solo, ajudando a planta a crescer melhor.
A porosidade na química está relacionada com a permeabilidade de uma superfície para absorver líquidos ou gases; mas a permeabilidade não é directamente proporcional à porosidade. A permeabilidade é a boa ligação dos poros, e a porosidade é a quantidade de poros em relação à sua superfície; portanto, uma pedra, por exemplo, pode ser altamente permeável, mas com baixa porosidade e vice-versa.
Na arquitectura, falamos da porosidade de um edifício ou desenvolvimento urbano quando este estabelece no seu planeamento determinados espaços destinados a localizar elementos úteis para a vitalidade da comunidade e do terreno onde se localizam as casas, edifícios e ruas: uma área verde é delimitada, um sector de terraços, jardins, vias de drenagem, porosidade de betão, etc., tudo com a intenção de permitir o uso racional e a drenagem da água.

No campo jurídico, Herbert Hart fala de uma “textura aberta do direito”; ou seja, como as regras do direito são expressas em linguagem, usando termos que se referem a objectos, pessoas e circunstâncias, a consequência é que cada regra, para além de um núcleo de significado indiscutível, terá uma penumbra de incerteza. Isto significa que uma regra pode apresentar certas dúvidas em alguns dos seus pontos, tais como zonas cinzentas, duvidosas, questionáveis ou discutíveis para alguns.
O conceito de porosidade também atravessa a discussão das ciências sociais e das suas áreas de estudo, porque alguns argumentam que estas devem ter um raio de acção delimitado, enquanto outros, compreendendo a organicidade do sistema social e a natureza multidisciplinar das ciências humanas, são de opinião que o estudo destas ciências deve basear-se numa abordagem multidisciplinar, outros, compreendendo a organicidade do sistema social e a natureza multidisciplinar das ciências humanas, acreditam que o estudo destas ciências deve ter lugar em complementaridade “a fim de cobrir todos os factores que materializam um facto social”, conseguindo visões panorâmicas e diversas que tendem a investigar e resolver conflitos variados, que são os que surgem ao aprofundarmos a variada realidade social em que vivemos.

No entanto

Em nenhum dos casos a porosidade de uma situação ou objecto de análise é vista como negativa, excepto no caso da realidade fronteiriça. A região fronteiriça não poderia existir se “as portas fossem fechadas”, as fronteiras fossem bloqueadas e a passagem fosse proibida, porque a mobilidade é vital, imanente, implícita nas nossas vidas; porque nos nutre, cuida e protege, como acontece na nossa pele, na célula ou na própria terra.
Portanto, mais uma vez, quando as pessoas falam depreciativamente de fronteiras como “porosas”, devemos orgulhar-nos disso; e os burocratas ou tecnocratas que atribuem esta qualidade para falar da fragilidade e vulnerabilidade das regiões fronteiriças devem antes apontar-lhes como áreas de abandono estatal, de ignomínia social, de desinteresse governamental, porque se assim não fosse, os nossos “poros” não seriam um problema, uma vez que é a ausência de sistemas de controlo, monitorização e acompanhamento, e não os poros em si, que é o problema.
Quando as estratégias governamentais não funcionam para limitar as acções ilícitas que realmente prejudicam a nossa economia, sociedade e paz colectiva, não é devido à “porosidade” que nos caracteriza como homens de fronteira, mas à capacidade de uns tirarem partido da incapacidade de outros, à perícia de uns e à desatenção de outros, à capacidade de uns utilizarem os seus meios para fazer o mal e à falta de coordenação e inoperância de outros que, tendo tudo, não fazem o que deveriam para o evitar.

Por isso

As nossas fronteiras não são locais pequenos, mas locais de trânsito para aviões, camiões, autocarros e barcos, onde o Estado não chega e o mercado ilegal é imposto. Mas para que isso não aconteça, é necessário “esfoliar” e limpar as regiões fronteiriças; não enviando ex-condenados para viver aqui, nem libertando-os na linha divisória, mas com formas apropriadas de manter os “poros” livres e saudáveis, porque aqui estão também as nossas raízes vitais e são produzidos recursos culturais, artísticos, sociais e comerciais valiosos que podem e devem ser utilizados como um capital válido e rico, porque embora sejam tratados numa língua diferente, a mensagem é uma e a mesma: Vivemos graças a essa porosidade, e isso deve ser compreendido e interpretado por equipas multidisciplinares e interinstitucionais para que reconheçam, respeitem e tirem partido de tudo o que é positivo nesta #TerceiraZona.

Richar Enry Ferreira

Referência
1 – O POROSO E AS CIDADES. “DENKBILDER, EPIFANIAS EM VIAGENS” DE WALTER BENJAMIN.

Productor audiovisual, documentalista, investigador histórico, redator e reporter.

error: Content is protected !!