Início » ARGENTINA, da RE.DE. para a JU.HUM.

ARGENTINA, da RE.DE. para a JU.HUM.

PRESS WORKERS

Saindo do infantilismo e assumindo

o lugar que corresponde a cada um

Em sintonia com o tratamento arbitrário e a designação infantil ou eufemística da realidade que o governo argentino tem para com algumas questões – já que “a desgraça dos“ esquerdistas ”é que não observaram a própria essência do“ momento atual ”1 – então delicada e cara para os cidadãos, pode-se dizer que ao mesmo tempo em que popularizou o DESPO e a ASPO2, manteve uma postura de Direitos Repressivos (RE.DE.), ao invés de construir governança e transformar a situação da segurança pública em um ponto forte da democratização do Estado, sendo Juridicamente mais Humanista (JU.HUM.).

Décadas de ostracismo e negação legal de reconhecimento levaram a Argentina a um estado de corrupção, abuso e abandono de suas forças de segurança, como é pouco visto na região, porém, tudo isso poderia ter sido evitado há muito tempo, simplesmente com um atitude aberta e democrática, a mesma que lhe permitiu superar os momentos mais difíceis e indesejáveis ​​da década de 1980, simplesmente pelo reconhecimento da qualidade humana da Polícia, por algum mecanismo legal ou simplesmente por reconhecê-la perante o Supremo Tribunal de Justiça da Nación3, o Estado poderia ter evitado o atual caos institucional que vive.

Não há dúvida de que o Estado e as Províncias têm o poder de regular o direito de organização e reivindicação, que os trabalhadores da área de segurança pública têm, apenas porque são pessoas4, mas, como Esteban Arriada, Técnico Superior disse em Segurança Pública e Secretário-Geral do Movimento Policial Democrático, durante o webinar do Grupo América Segura5, realizado na última quarta-feira, 21 de julho, onde explicou: “o pior desta pandemia é que veio denunciar as injustiças que os policiais vivem; Sem os equipamentos necessários e sem os meios adequados para o atendimento, mas agora também sem a proteção do isolamento e dos cuidados típicos desta pandemia, nem mesmo a Polícia deixou de trabalhar ou intervir nos abusos […] institucionais, alguns governantes atribuem eles apenas aos uniformizados, mas esses uniformizados agiam sob as ordens e diretrizes dos governos estaduais e da Justiça ”.

Por outro lado, acrescenta que, “infelizmente as instituições que pretendem representar os direitos dos trabalhadores da segurança pública não são ouvidas, pelo contrário, somos ignorados, com absoluta traição, e não nos é permitido construir um diálogo, entre aqueles de nós que pensam no exercício de direitos da responsabilidade dos trabalhadores e aqueles que devem zelar pelo cumprimento do mandato político; então, isso permite que as ordens abusivas dos patrões sejam executadas pelos trabalhadores, mas depois quem paga as consequências são apenas os trabalhadores. Assim, ficam à vista e ninguém se encarrega da ordem que foi emitida, … sempre, os pratos quebrados das más decisões e da má política, são pagos pelos trabalhadores ”.

As próximas instâncias eleitorais têm, para uma sociedade assustada, desanimada e desmoralizada6, mas principalmente para os trabalhadores da segurança pública, a virtude de gerar um horizonte de expectativa e uma luz de esperança, tão necessária quanto imprescindível, para continuar vivendo, crescendo e prosperando , sonhando com um dia melhor depois; onde os policiais podem denunciar a corrupção, fazer parte dos tribunais disciplinares e, assim, junto aos governos, construir ambientes de trabalho mais dignos, gerando transformações necessárias e pactuando salários justos, que permitam a todas as pessoas ter o serviço de segurança que merece7, deixando de ser servido “Com o que sobra do poder”, porque não tem que pagar a segurança privada ou porque o pessoal da polícia é insuficiente.

O segredo é não perder a esperança e saber que sempre se pode ser melhor, só depende da vontade do soberano ser sensível a uma realidade que não está cotada na bolsa mas que é tão ou mais valiosa para a construção da democracia, Diálogo nacional e respeito pelos direitos humanos de todos os bons argentinos, que diariamente arriscam sua integridade física e suas próprias vidas para salvaguardar a paz social.

Richar Enry Ferreira
 

Productor audiovisual, documentalista, investigador histórico, redator e reporter.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!